Confira o ranking das 20 maiores redes de supermercados do Brasil

A Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), no dia 20 de Maio, divulgou dados de seu estudo do ranking ABRAS/SuperHiper 2021, listando as maiores redes de supermercados do país. Esses dados são relevantes para mostrar como andam o faturamento e o setor supermercadista e de varejo no Brasil.

Pesquisa de redes de supermercados

Segue a lista de 2021 das 20 maiores redes de supermercados do Brasil:

PosiçãoSupermercadoFaturamento
1 Carrefour R$ 74,7 bilhões
2 Assaí R$ 39,4 bilhões
3 GPA R$ 31,0 bilhões
4 Grupo Mateus R$ 14,3 bilhões
5 Cencosud/G-Barbosa R$9,4 bilhões
6 Grupo Muffato (Paraná) R$9,4 bilhões
7 Supermercados BH R$ 8,9 bilhões
8 SDB Comércio de Alimentos - Grupo Pereira R$ 8,8 bilhões
9 Grupo Zaffari R$ 6,1 bilhões
10 DMA Distribuidora R$ 5,8 bilhões
11 Mart Minas R$ 4,6 bilhões
12 Sonda Supermercado R$ 4,1 bilhões
13 Savegnago Supermercados R$ 4,1 bilhões
14 Grupo Líder R$ 3,5 bilhões
15 Grupo Zaragoza R$ 3,3 bilhões
16 Supermercados Koch R$ 3,2 bilhões
17 Supermercado Bahamas R$ 3,1 bilhões
18 CSD - Companhia Sulamericana de Distribuição R$ 3,0 bilhões
19 Angeloni R$ 2,9 bilhões
20 Super Nosso R$ 2,8 bilhões

Comparativo 2021/2020

2021
2020
  1. 1. Carrefour - R$ 74,7 bilhões
  2. 2. Assaí - R$ 39,4 bilhões
  3. 3. GPA - R$ 31,0 bilhões
  4. 4. Grupo Mateus - R$ 14,3 bilhões
  5. 5. Cencosud/G.Barbosa - R$9,4 bilhões
  6. 6. Grupo Muffato (Paraná) - R$9,4 bilhões
  7. 7. Supermercados BH - R$ 8,9 bilhões
  8. 8. SDB Comércio de Alimentos - Grupo Pereira - R$ 8,8 bilhões
  9. 9. Grupo Zaffari - R$ 6,1 bilhões
  10. 10. DMA Distribuidora - R$ 5,8 bilhões
  11. 11. Mart Minas - R$ 4,6 bilhões
  12. 12. Sonda Supermercado - R$ 4,1 bilhões
  13. 13. Savegnago Supermercados - R$ 4,1 bilhões
  14. 14. Grupo Líder - R$ 3,5 bilhões
  15. 15. Grupo Zaragoza - R$ 3,3 bilhões
  16. 16. Supermercados Koch - R$ 3,2 bilhões
  17. 17. Supermercado Bahamas - R$ 3,1 bilhões
  18. 18. CSD - Companhia Sulamericana de Distribuição - R$ 3,0 bilhões
  19. 19. Angeloni - R$ 2,9 bilhões
  20. 20. Super Nosso - R$ 2,8 bilhões

1º Carrefour Comércio e Indústria LTDA - R$ 62,2 bilhões e 464 lojas
2º GPA - R$ 61,5 bilhões e 1.076 lojas
3º Cencosud Brasil Comercial LTDA - R$ 8,5 bilhões e 202 lojas
4º Irmãos Muffato & CIA LTDA - R$ 7,5 bilhões e 61 lojas
5º SDB Comércio de Alimentos LTDA - R$ 7,2 bilhões e 67 lojas
6º Supermercados BH Comércio de Alimentos SA - R$ 6,9 bilhões e 203 lojas
7º Companhia Zaffari Comércio e Indústria - R$ 5,4 bilhões e 36 lojas
8º DMA Distribuidora S/A - R$ 4,1 bilhões e 148 lojas
9º Sonda Supermercado EXP IMP SA - R$ 3,6 bilhões e 44 lojas
10º Mart Minas Distribuição LTDA - R$ 3,5 bilhões e 37 lojas
11º Savegnago Supermercados LTDA - R$ 3,3 bilhões e 49 lojas
12º Líder Comércio e Indústria LTDA - R$ 3,1 bilhões e 24 lojas
13º A Angeloni e CIA LTDA - R$ 2,7 bilhões e 30 lojas
14º Comercial Zaragoza IMP. EXP. LTDA - R$ 2,6 bilhões e 31 lojas
15º Multi Formato Distribuidora SA - R$ 2,58 bilhões e 50 lojas
16º Supermercado Bahamas SA - R$ 2,56 bilhões e 56 lojas
17º Companhia Sulamericana de Distribuição - R$ 2,54 bilhões e 55 lojas
18º Coop Cooperativa de Consumo - R$ 2,3 bilhões e 32 lojas
19º Giassi e CIA LTDA - R$ 2,09 bilhões e 17 lojas
20º Koch Hipermercado SA - R$ 2,08 bilhões e 29 lojas

Outro dado que vale ser citado é que o Abras demonstrou em seu estudo que as cadeias regionais representam 63% do faturamento do varejo no país. Além disso, também é demonstrado que terá um incremento 6,5% no faturamento do setor no ano de 2021.

A crise que estamos passando é uma intensa mudança cultural nas empresas e no perfil dos líderes do varejo. Mostra a todos que apesar de tempos difíceis para o varejista que não vende itens essenciais, o uso de tecnologias, dados, e-Commerce e gestão de pessoas utilizando o meio digital e on-line é possível e deve ser implantada.

O Estudo “TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NO VAREJO BRASILEIRO” – 3ª EDIÇÃO da SBVC em parceria com a OASISLAB mostra, entre outros dados, que 90% das empresas de varejo investiram em Transformação Digital em 2020. O investimento médio é de 0,73% do faturamento bruto dos varejistas entrevistados, incluindo aí as redes de supermercados. Em 2020 eram apenas 0,39%.

Destacam-se os seguintes dados do estudo:

Entre as empresas pesquisadas, 17% eram do setor de Supermercado, Hiper, Atacarejo e Conveniência. Para os entrevistados, 57% afirmam que transformação digital é prioridade na empresa, incluindo aqui o e-commerce para supermercados, e faz parte do desenvolvimento de planos estratégicos, com investimentos e ações definidas, mas apenas 29% já possuem algumas ações formalizadas, ou seja, iniciativas para investimentos estratégicos digitais em pessoas, processos e tecnologias.

Ranking dos supermercados mais bem avaliados do Brasil

A dunnhumby, empresa líder em ciência de dados do consumidor, acaba de lançar o Índice de Preferência do Conumidor (IPCon). A pesquisa, realizada em todo o território nacional, avaliou os 38 principais varejistas alimentares do país e mostrou que os aspectos mais valorizados pelos consumidores são, respectivamente: Sortimento e Variedade; Preço; Experiência na loja; Produtos frescos, naturais e orgânicos; Marca própria, e Conveniência & Facilidades.

De acordo com o ranking do IPCon, as marcas regionais e os atacarejos tiveram o melhor desempenho. O supermercado Zaffari foi o que mais se destacou, seguido do Muffato e do Atacadão. A principal hipótese para isso é de que os varejistas regionais estão mais próximos dos clientes, portanto, entendem suas necessidades e constroem uma melhor estratégia para atender às demandas.

Sortimento e variedade

O principal fator de preferência no varejo foi sortimento e variedade, o que pode ser visto como uma resposta do consumidor às interrupções na cadeia de suprimentos, durante a pandemia. Além disso, o levantamento mostra que os varejistas precisam se concentrar no básico, que é permitir que os consumidores encontrem a categoria, o produto, a marca, e o tamanho certo, por exemplo

PosiçãoSupermercado
1º lugarZaffari
2º lugarLíder
3º lugarMuffato

Preço

Embora os consumidores classifiquem o sortimento e a variedade mais importantes que o preço, a pandemia e a crise econômica criaram medos e incertezas na população, o que acabou pressionando o varejo nesse aspecto. As pessoas tendem a fazer mais pesquisas de preços, comparar opções e procurar mais ofertas. Contudo, é fundamental se atentar para a percepção de valor por parte do cliente, conforme explica Aversa. “O consumidor toma a decisão de compra com base em uma cesta de produtos que ele compra frequentemente e já conhece os preços, porque fazem parte de sua rotina, mas quando vai ao supermercado acaba comprando vários outros itens. A crise aumentou a percepção de quais são os itens básicos desta cesta, portanto o preço é mais importante naqueles itens que os clientes não sabem quanto custa”, explica André.

Mais do que preços baixos, os consumidores podem estar procurando o preço certo para o produto certo. Além disso, o atacarejo tem uma boa classificação entre os clientes.

PosiçãoSupermercado
1º lugarMakro
2º lugarAtacadão
3º lugarMart Minas

Experiência de Loja

Uma visita à loja pode ser o momento mais importante no relacionamento com o cliente já que, desde o momento da chegada ao estabelecimento até o caixa ou o estacionamento, existem fatores potenciais de atrito ou encantamento e, para o consumidor, tudo acontece de uma vez. “A experiência de compra considera uma série de fatores combinados. Alguns desses fatores podem ser secundários em virtude desses novos hábitos que observamos nos consumidores. Uma loja desorganizada pode até ser menos relevante, caso o consumidor encontre todos os produtos que procura, por um bom preço. Mas o risco é alto de confiar a experiência de compra proporcionada em poucos pilares. O ideal, apesar de desafiador, é que o varejista consiga oferecer uma experiência agradável e mais equilibrada ao seu consumidor”, destaca Rocha.

PosiçãoSupermercado
1º lugarPerini
2º lugarConfiança
3º lugarZaffari

Produtos frescos, naturais e orgânicos

Essa categoria é definida pela disponibilidade de itens frescos, com bons preços e acesso a uma variedade de produtores locais. A valorização do comércio local, de produtos orgânicos e pequenos produtores é uma tendência que, mesmo que não permita escalabilidade, ainda precisa ser uma opção para os clientes que estão cada vez mais interessados nos benefícios de saúde, ambientais e sociais. 

PosiçãoSupermercado
1º lugarLíder
2º lugarZaffari
3º lugarAngeloni

Marca própria

Embora a marca própria não seja um dos pilares mais importantes para os consumidores do varejo alimentar brasileiro, ela pode fornecer aos varejistas uma entrega de valor, desde que esteja alinhada com a capacidade dos mesmos para oferecer uma boa variedade de produtos a preços baixos — os dois pilares mais destacados pelo relatório. Vale pontuar que os seis motivadores de preferência do varejista não são igualmente importantes e o portfólio de marca própria de um varejista precisa se alinhar a uma estratégia maior do cliente.

“As marcas próprias são alternativas de um melhor custo benefício para os clientes, ou seja, os varejistas moldam a pirâmide de marca própria de acordo com a percepção de valor do consumidor e as lacunas no sortimento da loja”, destaca Aversa.

PosiçãoSupermercado
1º lugarBH
2º lugarDia%
3º lugarCarrefour

Conveniência e Facilidades

A conveniência é definida pela capacidade do varejista de fornecer fácil acesso às lojas, estacionamento, checkouts rápidos e práticos, além de aplicativos para telefones celulares. Apesar de ser o pilar menos importante, a conveniência ganhou destaque durante a pandemia, uma vez que significa menos tempo na loja quando se tem necessidades imediatas. Neste quesito, o Zaffari assumiu novamente o primeiro lugar, seguido do Perini e o Coop.

PosiçãoSupermercado
1º lugarZaffari
2º lugarPerini
3º lugarCoop

As principais áreas de investimento em transformação digital:

Omnichannel35%
E-commerce18%
CRM18%
TI13%
Outros8%
PDV5%
Comercial3%
Data3%
E-commerce e aplicativo para supermercados

Comece a vender online com o seu supermercado com loja digital, aplicativo, sistema de pagamento, aplicativo de separação e integração com o seu ERP.